Social Marketing vende?

c
março 4th, 2013

Recentemente, li uma resenha muito interessante do Jeffrey Molander, um dos maiores palestrantes e empreendedores em mídias sociais dos Estados Unidos. No texto, ele aponta 3 estratégias que deveriam ser sumariamente eliminadas de qualquer plano em mídias sociais corporativas neste ano: a atualização intensa de fan-pages no Facebook, o desenvolvimento de blogs e a publicação de vídeos em canais privados do YouTube. Assim como eu me assustei, estou certo de que todos os leitores estão, neste momento, me achando um louco (igualzinho ao Jeff Molander!)… Por isso, sugiro que você leia mais um pouco e, adiante, tire suas próprias conclusões.

O que o nosso amigo gringo defende é que, em 2013, nenhuma empresa deveria empregar tempo, esforço e budget em ações de social marketing que não objetivem VENDAS. Segundo suas próprias palavras, “este é o ano em que content marketing e mídias sociais devem focar a geração de leads e as vendas com a eficiência de um raio laser”. Para ele, um planejamento de marketing em mídias sociais deveria ser, na verdade, um plano de vendas em mídias sociais. A estratégia correta, portanto, seria provocar a AÇÃO do seguidor/consumidor com táticas de social media; promover a CONFIANÇA do usuário, de alguma forma, com histórias que abordem necessidades reais deste usuário; ganhar sua atenção FAZENDO alguma coisa para ele, ao invés de dizer que pode fazê-lo.

Sinceramente, já tenho visto exemplos de perfis corporativos em redes sociais que, na tentativa desenfreada de oferecer conteúdo relevante aos seus seguidores, se perdem justamente na palavra “relevante”. Ser relevante é ser realmente importante, na medida certa. Nem mais, nem menos. Argumentação exagerada, muita conversa fiada… isso é coisa de vendedor de carros usados, aquele cidadão que é normalmente retratado nas histórias como alguém pouco confiável (me desculpem os sérios e éticos vendedores de carros, não fui eu quem inventou isso!).

E aqui entra o meu próprio questionamento: social marketing tem mesmo que vender?

A gente se acostumou também a achar que marketing e comunicação têm que gerar vendas a quase qualquer custo – se a estratégia não provocasse mais vendas em algum ponto futuro, não deveria nem ser implementada. Na faculdade, facilmente todo estudante de marketing ouviu que “a função do marketing é dar suporte a vendas”, numa  das mais célebres proposições do Kotler.

Mas será que esta não é uma visão ultrapassada? O mercado está repleto de cases de marketing direto ou de ações de RP que geram vendas de forma efetiva, mas a função destas ferramentas sempre foi promover maior relacionamento entre empresas e seus públicos. O estudo da gestão de Stakeholders (os diversos públicos de interesse das empresas, de clientes a fornecedores, funcionários e comunidades locais) nos mostra a importância de estreitar relacionamento mesmo com quem, num primeiro momento, não consome produtos das empresas. E, claramente, as redes sociais são uma plataforma perfeita para este tipo de iniciativa.

Só pra deixar claro: não estou questionando o social commerce, atividade que claramente está impulsionando o comércio de uma forma totalmente inovadora ao utilizar o capital social de usuários como avalizadores de produtos e serviços. A questão aqui são os esforços B2C na promoção de vendas efetivas!

Quando acontece efetivamente uma venda? Apenas na hora de “tirar o pedido”? E todo o percurso da marca na cabeça do consumidor até aquele momento, quem tomou conta? O que a gente às vezes se esquece é que relacionamento, em algum momento futuro, significa mais vendas! Aquelas vendas adicionais, com maior ticket médio, que geram os “lucros bons” segundo o que escreveu Fred Reichheld, da Bain&Company, no seu famoso livro “A Pergunta Definitva”.

Você pode conferir a opinião do Jeff Molander na íntegra, acessando o seu artigo no endereço http://econsultancy.com/br/blog/61812-three-things-you-can-cut-from-your-social-marketing-plan?utm_medium=email&utm_source=daily_pulse . Leia, tire suas próprias conclusões e então nos diga: você acha que relacionamento não é venda? Mande sua opinião pra gente!

There are no comments yet, add one below.